Professor é suspenso por ler textos bíblicos

 

 

Baixe este livro de combate Espiritual gratuitamente


Em 1936 Nossa Senhora apareceu no Norte do Brasil para avisar que três grandes castigos cairão sobre o Brasil. Ela disse: O sangue inundará o Brasil por causa do comunismo, e haverá uma guerra civil caso não haja conversão, jejum, penitência e oração. DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT, e vamos pedir para nossa Mãe Celestial que afaste de nós os castigos. Leia a matéria completa aqui - CLIQUE AQUI!!! DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT - Faça como o Padre José Augusto da Canção Nova que denunciou o PT e não se acovardou - assista aqui o que ele disse - CLIQUE AQUI!!! - DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT

Professor é suspenso por ler textos bíblicos

Sinal dos Tempos: Na França, professor é suspenso por ler textos bíblicos para alunos

Diz na Sagrada Escritura:

"Ele lhes respondeu: Quando vem a tarde, dizeis: Haverá bom tempo, porque o céu está avermelhado. E de manhã: Hoje haverá tormenta, porque o céu está de um vermelho sombrio. Hipócritas! Sabeis distinguir o aspecto do céu e não podeis discernir os sinais dos tempos?" (São Mateus, 16, 2-4)

 

Na França, um professor primário foi suspenso por ler passagens da Bíblia para seus alunos de 9 a 11 anos, acusado de violar a lei da laicidade vigente no país.

 

Segundo o site ‘France Bleu’, o docente, de cerca de 40 anos e que teve a identidade preservada, trabalhava em uma escola da comuna de Malicornay, na região central da França.

A sua atividade de leitura da Bíblia para os estudantes chamou a atenção do diretor da escola, Pierre-François Gachet, depois que um grupo de pais enviou uma carta anônima para a instituição, queixando-se do ocorrido.

Na carta, acusaram o professor de “proselitismo” e afirmaram que ele tentou converter os alunos às suas próprias crenças religiosas.

Por conta disso, o diretor suspendeu o docente e o conselho escolar nacional conduz um inquérito sobre o caso.

O diretor Gachet alegou que o professor “falhou em observar as leis estritas da laicidade na França, que exigem uma educação isenta da religião”. De acordo com ele, os resultados da investigação serão divulgados “antes de meados de março”.

Gachet afirmou ao jornal ‘La Croix’ que a investigação busca “determinar se o professor realmente dez uso do proselitismo ou se ele simplesmente agiu com falta de discernimento”.

Por outro lado, o prefeito local considerou que a decisão da escola foi uma “medida desproporcional”, pois garantiu que o professor sempre foi “muito querido” por alunos e pais.