O Inferno descrito por Santa Faustina

O Inferno descrito por Santa Faustina

O inferno descrito por Santa Faustina

Um lugar de grande tortura; é terrivelmente grande e extenso! (...) A primeira tortura que constitui o Inferno é a perda de Deus; a segunda é o remorso perpétuo da consciência; a terceira é que aquela condição nunca mudará; a quarta é o fogo que penetrará na alma sem destruí-la, um sofrimento terrível, como é um fogo puramente espiritual, aceso pela Ira de Deus; a quinta tortura é a escuridão ininterrupta e um terrível e sufocante odor. Apesar da escuridão, os demônios e as almas dos condenados vêem todos os males, os próprios e dos outros; a sexta tortura é a companhia constante de Satanás; a tortura sétima é o horrível desespero, aversão de Deus, palavras vis, maldições e blasfêmias. Estas são as torturas sofridas por todos os condenados, mas isto não é o fim dos sofrimentos. Há torturas especiais dos sentidos. Cada alma sofre sofrimentos indescritíveis, terríveis, relacionados à maneira com que se pecou. Há cavernas e fossas de tortura onde uma forma de agonia difere da outra. Teria eu morrido na visão destas torturas se a onipotência de Deus não tivesse me apoiado. Escrevo isto no comando de Deus, de modo que nenhuma alma pode achar uma desculpa para dizer que não há inferno, nem que ninguém jamais esteve lá e por isso não se pode dizer como ele é.