EFICAZ MEIO DE SANTIFICAÇÃO

EFICAZ MEIO DE SANTIFICAÇÃO

EFICAZ MEIO DE SANTIFICAÇÃO

 

 

Quando nos abstemos de pronunciar palavras ociosas ou banais, quando nos silenciamos para ouvir sábios conselhos ou ler palavras para nosso enriquecimento ­intelectual ou espiritual, evitamos o pecado e nossa alma ouve melhor a voz da graça, fica mais propícia a enfrentar com coragem as dificuldades da vida, aprende a elevar a mente a Deus e viver em sua presença. É o silêncio, portanto, um eficaz meio de santificação.

Quem sabe falar com moderação pratica as virtudes com mais facilidade. "É o silêncio que nos faz humildes, que nos faz sofridos, que nos leva a contar somente com Jesus ao passar por uma dor, para que Ele, também em silêncio, nos cure sem que os outros saibam. O silêncio é necessário para a oração. Com o silêncio é difícil faltar com a caridade; com ele se agradece, mais do que com palavras, o amor e o carinho de um irmão",6 diz São Rafael Arnáiz.

"É o silêncio guardião da religião e nele está nossa fortaleza",7 afirma o grande São Bernardo. Aqueles que desfrutam deste silêncio nesta Terra, tudo suportam, são desapegados das coisas sensíveis e meramente materiais, e gozam, de alguma maneira, da bem-aventurança eterna.

Afastar-se do bulício para ouvir a Deus

O Antigo Testamento relata, por exemplo, a prescrição divina aos israelitas, dada a Moisés, de "apresentarem suas ofertas ao Senhor no deserto" (Lv 7, 38), o qual é símbolo de isolamento, solidão e silêncio. E conta que Judite, ao enviuvar-se, tinha feito "no andar superior de sua casa um quarto reservado para si, no qual se conservava retirada com suas criadas" (Jt 8, 5). Ali, no recolhimento, fazia penitência e jejuns, em uma vida de relacionamento com Deus.

Com efeito, para viver de Deus, com Ele e para Ele, muitas ­pessoas abandonam o bulício do mundo e abraçam o isolamento, pois assim se escuta melhor sua voz. "Os maiores Santos evitavam, quanto podiam, a companhia dos homens, e escolhiam viver para Deus".2 Não é sem razão que São João da Cruz ensina: "Uma Palavra disse o Pai, que foi seu Filho; e di-la sempre em eterno silêncio e em silêncio há de ser ouvida pela alma".3