Das 2 às 3 da madrugada Jesus é Apresentado a Anás

Das 2 às 3 da madrugada Jesus é Apresentado a Anás

Das 2 às 3 da madrugada

Jesus é Apresentado a Anás.

Oração antes de cada Hora

Jesus, fica sempre comigo; doce Mãe, sigamos juntos a Jesus. Meu Jesus, Sentinela Divina, vigiando-me Tu, do Teu Coração e não querendo ficar só, sem mim, despertas-me para que eu me encontre conTigo na casa de Anás.

Encontras-Te naquele momento em que Anás Te interroga sobre a Tua doutrina e os Teus discípulos, e Tu, ó Jesus, para defender a glória do Pai, abres a Tua sacratíssima boca e com voz potente e digna respondes: – “Falei em público, e todos aqueles que estão aqui Me ouviram”.

Às Tuas palavras tão dignas todos tremeram, mas a perversidade é tanta que um servo, querendo honrar Anás, aproxima-se de Ti e, com a mão fechada, dá-Te um soco, mas tão forte que Te faz cambalear e ficar lívido o Teu Santíssimo Rosto.

Agora compreendo, minha doce Vida, porque é que me acordastes. Tu tinhas razão; quem é que Te ampararia neste momento no qual estás para cair? Os Teus inimigos romperam em risadas satânicas, apupos e palmas, aplaudindo um gesto tão injusto, e Tu cambaleando, não tens a que Te apoiar. Meu Jesus, abraço-Te, antes, com o meu ser, quero fazer de muro e ofereço-Te a minha face com coragem, pronto a suportar qualquer pena por teu amor. Tenho compaixão de Ti por causa deste ultraje e conTigo reparo-Te a timidez de tantas almas que facilmente perdem a coragem, reparo-Te por todos aqueles, que por temor, não dizem a verdade, pelas faltas de respeito devidas aos sacerdotes e pelas murmurações.

Meu Jesus aflito, vejo que Anás Te manda a Caifás; os Teus inimigos precipitam-Te pelas escadas, e Tu meu Amor, nesta queda tão dolorosa reparas por aqueles que de noite se precipitam na culpa com o favor das trevas, e chamas à luz da Fé os hereges e os infiéis.

Também eu Te quero seguir nestas reparações, e, até que chegues junto de Caifás, mando-Te os meus suspiros para Te defenderem dos Teus inimigos; e enquanto eu durmo, continua a vigiar-me e a acordar-me sempre que for preciso. Por isso, dá-me o Teu beijo e a Tua bênção e eu beijo-Te o Coração e nele continuo o meu sono.

 

Reflexões práticas

Jesus levado à presença de Anás é interrogado por este sobre a Sua doutrina e os Seus discípulos; para glorificar o Pai, responde acerca da Sua doutrina, mas nada diz sobre os Seus discípulos para não faltar à Caridade. E nós, quando se trata de glorificar o Senhor, somos intrépidos e corajosos, ou deixamo-nos vencer pelo respeito humano? Devemos dizer sempre a verdade; ainda que seja diante de pessoas de grande consideração. No nosso falar procuramos sempre a glória de Deus? Para exaltar a glória de Deus suportamos tudo com paciência como Jesus? Evitamos sempre falar mal do próximo, e socorremo-lo se vemos que outros falam?

Jesus vigia o nosso coração, e nós vigiamos o Coração de Jesus, a fim de que não receba nenhuma ofensa que não seja reparada por nós? Vigiamo-nos a nós próprios em tudo, a fim de que o nosso pensamento, olhar, palavra, afeto, palpitação, desejo, sejam como outras tantas sentinelas à volta de Jesus, para vigiar o Seu Coração e repará-lo de todas as ofensas? E para poder fazer isto pedimos a Jesus que vigie cada ato nosso e nos ajude Ele próprio a vigiar o nosso amor? Cada ato que fazemos em Deus é uma Vida divina que recebemos em nós; e como nós somos limitados, e Deus é imenso, não podemos fechar um Deus no nosso simples ato, portanto multipliquemo-los quanto pudermos para poder assim, ao menos, alargar a nossa capacidade de perceber e de amar. E quando o nosso Jesus nos chama estamos prontos a responder? O chamamento de Deus pode fazer-se sentir de muitos modos: com as inspirações, leitura de livros bons, com o exemplo; pode fazer-se sentir sensivelmente com os atrativos da graça e também com as próprias intempéries do tempo.

Meu doce Jesus, a Tua voz ressoe sempre no meu coração; e tudo aquilo que me rodeia, dentro e fora de mim, seja a voz, continua que me chame sempre a amar-Te e a harmonia da Tua voz divina me impeça de sentir qualquer outra voz humana dissipadora.

 

Oração de agradecimento depois de cada Hora