Como combater a preguiça com São Jerônimo

 

Como combater a preguiça com São Jerônimo

Como combater a preguiça com São Jerônimo

 Os santos podem nos ensinar como administrar nossas emoções e enfrentar nossas lutas.

Aqui apresentamos mais um em nossa série de artigos sobre como os santos podem nos ajudar a superar o vício e praticar a virtude, guiados por Edwige Billot, autora de um livro recente sobre a orientação dos santos sobre como lidar com nossas emoções (publicado em francês: “ Et si les saints nous coachaient sur nos émotions? ”).

Ociosidade mãe de todos os vícios

Procrastinação, preguiça, preguiça ... São tentações que nos são familiares e que precisam ser combatidas. Na verdade, para São Paulo, a preguiça é um pecado contra a caridade.

“Ao não fazer o que se espera de nós, prejudicamos os outros e a nós mesmos, pois não usamos nossos talentos”, diz Edwige Billot. Além disso, a ociosidade é perigosa na medida em que facilita as tentações.

“A ociosidade é a mãe de todos os vícios”, adverte a sabedoria popular. E essa não é a única fonte que nos dá esse aviso. As Escrituras não medem suas palavras:

  • “O ocioso é como uma pedra imunda, e cada um assobia para sua desgraça. O ocioso é como a sujeira dos montes de esterco; qualquer um que o pegar vai sacudir a mão dele. ” (Sirach 22: 1-2)
  • “O desejo da pessoa preguiçosa é fatal, pois as mãos preguiçosas se recusam a trabalhar.” (Provérbios 21:25)
  • A Escritura elogia a mulher “que não come o pão da preguiça”. (Provérbios 31:27)

São Paulo não é mais suave com pessoas preguiçosas que fogem de seu dever enquanto desfrutam de diversões:

“Quem não quer trabalhar não deve comer. Pois ouvimos que alguns de vocês estão vivendo na ociosidade, meros intrometidos, sem fazer nenhum trabalho. Agora, essas pessoas nós ordenamos e exortamos no Senhor Jesus Cristo a fazer seu trabalho em silêncio e ganhar seu próprio sustento. ” (2 Tessalonicenses 3: 10b-12).

São Jerônimo, médico da Igreja e tradutor da Bíblia para o latim no século V, falou dos males da preguiça e da importância de se manter ocupado. Em uma carta para Rustics (125), ele diz,

“'Todo o ocioso é vítima de desejos vãos.' No Egito, os mosteiros têm como regra não receber ninguém que não esteja disposto a trabalhar; para eles consideram o trabalho como necessário não só para o apoio do corpo, mas também para a salvação da alma “.

Para tanto, recomenda um remédio infalível para não cair nas tentações ligadas à ociosidade: Permaneça em ação o tempo todo, para que o diabo não tenha chance de roubar um momento de ócio. “Viva de maneira que o diabo sempre o encontre ocupado” , escreve ele.

Se estivermos ocupados fazendo o bem, estaremos menos disponíveis às solicitações do mal. É um conselho que também podemos levar a sério hoje.