COMO ABRAÇAR A CRUZ DOS SOFRIMENTOS

 

 


Em 1936 Nossa Senhora apareceu no Norte do Brasil para avisar que três grandes castigos cairão sobre o Brasil. Ela disse: O sangue inundará o Brasil por causa do comunismo, e haverá uma guerra civil caso não haja conversão, jejum, penitência e oração. DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT, e vamos pedir para nossa Mãe Celestial que afaste de nós os castigos. Leia a matéria completa aqui - CLIQUE AQUI!!! DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT - Faça como o Padre José Augusto da Canção Nova que denunciou o PT e não se acovardou - assista aqui o que ele disse - CLIQUE AQUI!!! - DIGA NÃO AO PT - DIGA NÃO AO PT

COMO ABRAÇAR A CRUZ DOS SOFRIMENTOS

Como abraçar a cruz dos sofrimentos

Abraçar a cruz dos sofrimentos é um desafio, colocado a nós por Deus, que não somos capazes de vencer sozinhos.

Abraçar a nossa cruz a cada dia, as angústias, os sofrimentos, faz parte do seguimento do Senhor e tem como finalidade um aprendizado. Jesus Cristo, mesmo sendo Filho de Deus, aprendeu o que significa a obediência a Deus por aquilo que sofreu (cf. Hb 5, 8). Sendo Deus, Ele se fez homem e aprendeu a obedecer, para nos ensinar como ser obediente. Adão e Eva não tinham pecado algum, mas tentados pelo Demônio, desobedeceram a Deus. Isso nos faz compreender que a obediência precisa ser aprendida. O Senhor nos fez livres para escolher pelo bem, para obedecer. A cada dia, a cada instante, Deus nos dá oportunidades para obedecer a Sua vontade e temos livre-arbítrio para escolher fazer ou não a Sua vontade.
Jesus aprendeu o que significa a obediência por aquilo que sofreu (cf. Hb 5, 8). A Carta aos Hebreus torna claro para nós como o Senhor aprendeu a obedecer. O Filho de Deus aprendeu a obediência através do sofrimento, do mistério da cruz. Como Cristo, somos chamados a acolher o sofrimentos, o mistério da Sua cruz em nossas vidas. Tomar a nossa cruz é condição necessária para seguir Jesus (cf. Mt 16, 24), para fazer a Sua vontade.
São Luís Maria Grignion de Montfort, no “Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem”, diz que, para favorecer a humildade da Virgem Maria, Jesus tratava-a por “Mulher” (cf. Jo 2, 4; 19, 26). Nosso Senhor, apesar de amar Maria, sua Mãe, mais que todos os anjos e todos os homens, “quis humilhá-la e escondê-la durante a vida para favorecer a sua humildade” (TVD 5). Como na vida de Nossa Senhora, talvez o mistério da cruz de Cristo esteja se manifestando em nossas vidas através dos sofrimentos, das humilhações, do escondimento aos olhos dos homens.
Em obediência à Palavra de Deus, somos convidados hoje a tomar a cruz dos nossos sofrimentos, humilhações, e suportá-la com paciência, com humildade. Aprendamos a obediência com o próprio Jesus, que disse: aprendei de mim que sou manso e humilde de coração (cf. Mt 11, 29). Aprendamos com Nossa Senhora, pois ela soube abraçar a cruz dos sofrimentos, ao acolher o “Servo Sofredor” (cf. Is 53, 2-7) em sua vida. Nos unamos a Virgem Maria em oração, como fizeram os apóstolos e discípulos de Jesus no cenáculo em Jerusalém (cf. At 1, 14). Aprendamos com ela a obediência abraçando a nossa cruz, a cruz das quedas, do cansaço, da nossa falta de capacidade de fazer o bem, das grandes e pequenas humilhações e sofrimentos.
Não desanimemos, pois estamos associados ao mistério pascal de Cristo, à Sua a Paixão e morte, mas também à Sua ressurreição. Como Jesus, aprendamos a obediência através dos sofrimentos, das humilhações, do mistério da cruz em nossas vidas. Pois, quando assumimos a sua cruz com mansidão, com humildade, encontraremos repouso para nossas almas (cf. Mt 11, 29). Em meio aos sofrimentos e tribulações deste mundo, encontraremos a paz de Jesus Cristo. Ele sofreu, pois o Seu Reino não é deste mundo (cf. Jo 18, 36). Nós também sofremos, pois o nosso também não é este, mas é o Reino dos Céus, onde encontraremos a única, a verdadeira e definitiva paz, que é a paz em Deus.