A melhor das orações é o Pai-Nosso e, no Pai-Nosso, o melhor é aquele – “Seja feita a Vossa Vontade assim na terra como no Céu”. Nesse conceito está o segredo da santidade. Não basta dizer:

“Senhor! Senhor!”

É mister acrescentar:

“Seja feita a Vossa Vontade”. “Não são os que dizem: ‘Senhor! Senhor!’ – diz o Evangelho – ‘que hão de entrar no Reino dos Céus, mas sim os que fazem a Vontade do Pai Eterno’”

Pouco importam mil coroas e devoçõezinhas originais senão sabemos conformar a nossa vontade com a Vontade de Deus. Já o disse e repito:

“Fazer o que Deus quer e querer o que Deus faz, é a melhor das orações”

E nisto se resume toda a vida cristã. A oração de conformidade é a mais perfeita e agradável a Nosso Senhor. Por que nos sobrecarregamos frequentemente com tantas devoções, até com prejuízo dos deveres mais graves de estado e as observamos todas tão escrupulosamente, se o essencial, que é o dever, talvez monótono, fica esquecido e desprezado, e não aceitamos sem revolta o que Deus Nosso Senhor nos envia de sofrimentos e cruzes? Digamos, sim, o Pai-Nosso, todos os dias, e com fervor. Não nos esqueçamos, porém, de que, se a prece dominical é a melhor das orações, é justamente porque, naquele – “Seja feita a Vossa Vontade assim na terra como no Céu” – resume-se toda a vida cristã!