3 Visões Absolutamente Terríveis do Inferno

 

3 Visões Absolutamente Terríveis do Inferno

3 Visões Absolutamente Terríveis do Inferno

 

Se essas visões dos santos são algo próximo da verdade, o inferno é muito real e terrível. Você não quer ir para lá.

O juiz da Suprema Corte dos EUA, Antonin, diz que acredita no inferno e no Diabo e é ridicularizado . Mas os aliados de Scalia são mais importantes que seus críticos: além da maioria dos americanos, Jesus, o Filho de Deus, e seu vigário, o papa Francisco, falam constantemente sobre essas coisas em seus ensinamentos.

Sim, o inferno é real e, para os católicos, a existência é uma questão de dogma. O Concílio de Florença, em 1439, ensinou: “Nós definimos… [que] as almas daqueles que partem desta vida em pecado mortal real, ou somente no pecado original, vão direto ao inferno para serem punidos, mas com dores desiguais”.

Uma vez que é apenas um lugar para aqueles que morreram, o inferno não pode ser acessado por aqueles de nós ainda vivos - pelo menos em circunstâncias normais. Muitos santos e não-santos em toda a história da Igreja afirmaram ter tido experiências místicas vivas do inferno e escrito sobre isso. Abaixo estão três dessas descrições.

O Catecismo deixa claro que as revelações particulares não “melhoram ou completam” o depósito da fé, mas significam “ajudar-nos a viver mais plenamente em um determinado período da história”. Então leia estas visões com um grão de sal. , vendo se eles podem ajudar a inspirar você a levar mais a sério a realidade do reino eterno dos condenados.

"Tudo era escuridão grossa": Santa Teresa de Ávila

A grande santa do século XVI, Teresa de Ávila, era uma freira e teóloga carmelita. Um dos 35 médicos da Igreja , seu livro O Castelo Interior é considerado um dos maiores livros sobre a vida espiritual. Em sua autobiografia, ela descreve uma visão de um inferno que ela acreditava que Deus lhe deu para ajudá-la a se afastar de seus pecados:
 

“A entrada parecia ser por uma passagem longa e estreita, como uma fornalha, muito baixa, escura e próxima. O chão parecia estar saturado de água, mero lodo, extremamente sujo, emitindo odores pestilentos e coberto de insetos repugnantes. No final, havia um lugar oco na parede, como um armário, e nisso me vi confinado. Tudo isso foi agradável de se ver em comparação com o que eu sentia lá. Não há exagero no que estou dizendo. […]

“Senti um fogo na minha alma. Não consigo ver como é possível descrevê-lo. Meus sofrimentos corporais eram insuportáveis. Eu passei por sofrimentos muito dolorosos nesta vida ... mas tudo isso não era nada em comparação com o que eu sentia naquela época, especialmente quando vi que não haveria intermissão nem fim para eles. […]

“Deixado naquele lugar pestilento, e totalmente sem o poder de esperar por conforto, não pude sentar nem me deitar: não havia espaço. Fui colocado como se estivesse em um buraco na parede; e aquelas paredes, terríveis de se verem, me cercaram de todos os lados. Eu não conseguia respirar. Não havia luz, mas tudo era escuridão espessa. […]

“Depois tive outra visão mais temerosa, na qual vi a punição de certos pecados. Eles eram mais horríveis de olhar para… […] Li sobre as diversas torturas e como os demônios rasgam a carne com pinças incandescentes. Mas tudo é como nada antes disso; é um assunto totalmente diferente. Em suma, um é uma realidade, o outro é uma imagem; e tudo que está queimando aqui nesta vida não é nada em comparação com o fogo que está lá. Eu estava tão aterrorizada por essa visão - e que o terror está em mim mesmo agora enquanto escrevo - que, embora tenha ocorrido há quase seis anos, o calor natural do meu corpo é gelado pelo medo, mesmo agora, quando penso nisso. . […]

“Foi essa visão que me encheu da grande angústia que sinto diante da visão de tantas almas perdidas, especialmente dos luteranos - pois eles já foram membros da Igreja pelo batismo - e também me deram o mais veemente. desejos de salvação das almas; pois certamente acredito que, para salvar um desses tormentos esmagadores, eu suportaria muitas mortes de boa vontade ”.

“Cavernas e buracos de tortura”: Santa Maria Faustyna Kowalska

Santa Maria Faustina Kowalska, mais conhecida como Santa Faustina, era uma freira polonesa que afirmava ter tido uma série de visões que incluíam Jesus, a Eucaristia, anjos e vários santos. É a partir de suas visões, registradas em seu diário , que a Igreja recebeu a devoção agora popular, o Terço da Divina Misericórdia. Em uma entrada do final de outubro de 1936, ela fala de uma visão do inferno:
 

“Hoje fui conduzido por um anjo aos abismos do inferno. É um lugar de grande tortura; quão incrivelmente grande e extensa é! Os tipos de tortura que eu vi: a primeira tortura que constitui o inferno é a perda de Deus; o segundo é o remorso perpétuo da consciência; o terceiro é que a condição de alguém nunca mudará; o quarto é o fogo que penetrará a alma sem destruí-la - um sofrimento terrível, já que é um fogo puramente espiritual, iluminado pela ira de Deus; a quinta tortura é a contínua escuridão e um terrível cheiro sufocante e, apesar da escuridão, os demônios e as almas dos condenados se vêem mutuamente e todo o mal, tanto dos outros como dos seus; a sexta tortura é a companhia constante de Satanás; a sétima tortura é um horrível desespero, ódio a Deus, palavras vis, maldições e blasfêmias.

“Estas são as torturas sofridas por todos os condenados juntos, mas isso não é o fim de seus sofrimentos. Há torturas especiais destinadas a almas particulares. Esses são os tormentos dos sentidos. Cada alma sofre sofrimentos terríveis e indescritíveis, relacionados com a maneira pela qual pecou. Há cavernas e poços de tortura onde uma forma de agonia difere da outra. Eu teria morrido ao ver essas torturas se a onipotência de Deus não tivesse me apoiado. Deixe o pecador saber que ele será torturado por toda a eternidade, naqueles sentidos que ele usou para pecar. Estou escrevendo isso ao comando de Deus, para que nenhuma alma encontre uma desculpa dizendo que não há inferno, ou que ninguém jamais esteve lá, e assim ninguém pode dizer como é.

“Eu, irmã Faustina, pela ordem de Deus, visitei os abismos do inferno para poder contar as almas e testemunhar sua existência. Eu não posso falar sobre isso agora; mas recebi uma ordem de Deus para deixar por escrito. Os demônios estavam cheios de ódio por mim, mas eles tinham que me obedecer ao comando de Deus. O que escrevi é apenas uma pálida sombra das coisas que vi. Mas eu notei uma coisa: que a maioria das almas tem aqueles que não acreditam que existe um inferno. Quando cheguei, mal consegui me recuperar do susto. Quão terrivelmente as almas sofrem lá! Por isso, rezo ainda mais fervorosamente pela conversão dos pecadores. Eu imploro incessantemente a misericórdia de Deus sobre eles. Ó meu Jesus, eu preferiria estar em agonia até o fim do mundo, em meio aos maiores sofrimentos, do que Te ofender pelo menor pecado. ”(Diário de Santa Faustina, 741)

“Um vasto mar de fogo”: Ir. Lucy de Fátima

A Irmã Lúcia não é uma santa, mas foi uma das visionárias de uma das mais importantes revelações privadas do século XX em Fátima, Portugal. Em 1917, ela foi uma das três crianças que alegaram ter experimentado várias visões da Abençoada Virgem Maria. Ela diz que Mary mostrou a ela uma visão do inferno, que mais tarde ela descreveu em suas Memórias:
 

"[Maria] abriu as mãos mais uma vez, como fizera nos dois meses anteriores. Os raios [de luz] pareciam penetrar na terra, e vimos, por assim dizer, um vasto mar de fogo. Mergulhado nesse fogo, vimos os demônios e as almas [dos condenados].

“Os últimos eram como brasas transparentes, todas de bronze enegrecido ou polido, tendo formas humanas. Eles estavam flutuando naquela conflagração, agora erguidos no ar pelas chamas que saíam de dentro deles, junto com grandes nuvens de fumaça. Agora eles caíam de todos os lados como faíscas em grandes chamas, sem peso ou equilíbrio, em meio a gritos e gemidos de dor e desespero, que nos horrorizavam e nos faziam tremer de medo (deve ter sido essa visão que me fez gritar, como as pessoas dizem que me ouviram).

“Os demônios distinguiram-se [das almas dos condenados] por sua semelhança aterrorizante e repelente de animais assustadores e desconhecidos, negros e transparentes como brasas ardentes. Essa visão durou apenas um momento, graças à nossa boa Mãe Celestial, que na primeira aparição havia prometido nos levar ao céu. Sem isso, acho que teríamos morrido de terror e medo ".

Inspirado em tudo? Que todos nós nos lançemos na misericórdia de Deus em Cristo, e assim evitemos qualquer coisa até mesmo perto dessas descrições, e passemos a eternidade em união com Deus no céu.